... ...

Serão os Gadgets Benéficos para o seu Treino?

É inegável que o running como lhe chamam hoje em dia, é um dos desportos que está mais na moda! E como tudo o que está na moda pega, é normal ver nas redes sociais os familiares, amigos e conhecidos partilhar as calorias, a distância e o percurso percorrido durante o treino. Todos nós com certeza temos algum familiar, amigo ou conhecido que o faz.

Mas com toda a nova tecnologia que nos permite analisar mais ao pormenor os nossos treinos, é fundamental fazer esta pergunta: Os gadgets estão realmente a ajuda-lo no treino?

Esse é o objetivo com certeza, mas você sabe interpretar esses dados da forma mais correta. Se não os sabe interpretar será que o dispositivo lhe está a ser útil?

A resposta é não, o seu dispositivo não lhe é nada útil! Claro que a industria eletrotónica e as marcas não revelam estatísticas, e nunca revelam que a maioria das pessoas passado 6 meses “encostam” o dispositivo e deixam-no a ganhar pó em casa! A indústria eletrónica não revela que num inquérito efetuado, as pessoas revelaram que passado 6 meses perdiam o interesse e já não usavam o dispositivo!

Mas os wearables hoje em dia já fazem parte da rotina diária de treino da maioria dos corredores? Em caso afirmativo, qual é a melhor maneira de usá-los? E mais importante, como devemos interpretar as enormes quantidades de dados que eles produzem?

Quais as vantagens e desvantagens da recolha de dados

Vamos ser realistas, os dados quando bem interpretados podem ser extremamente úteis. Podem ajudar a “refinar” a

Muitos corredores focam-se demasiado no que os dispositivos mostram, e esquecem-se completamente de “ouvir” o organismo!
sua estratégia e ritmo de corrida, ou podem ajudar a ajustar o ritmo desejado para um determinado treino específico!  Os dispositivos mais avançados que medem frequências cardíacas, e outro tipo de dados relativamente ao seu organismo são mais adequados para os corredores mais experientes ora vejamos:
  • A evolução é mais difícil consoante o nível físico em que estamos, se estamos num nível de treino mais avançado é fundamental “dissecar” os dados, para se perceber como continuar a evoluir
  • Os corredores mais avançados já não precisam de se concentrar nos aspetos básicos, logo precisam de se concentrar nos aspetos mais avançados em termos de treino
  • O treino mais avançado é mais complexo, logo necessita de abordagens mais complexas
  • Quanto mais experiente você for, mais probabilidade tem de interpretar melhor os dados fornecidos

Por todas estas razões acima mencionadas, posso concluir que os gadgets não lhe servem de nada se não souber interpretar os dados! Muitos corredores quando “descarregam” os dados para o computador, ou os tentam interpretar na hora olham para eles e perguntam-se a eles próprios: “ E agora o que eu faço com isto?” Por isso mesmo na minha opinião os dispositivos só trazem algum valor acrescentado ao seu treino, se souber interpretar os dados da forma mais correta!

Quais as desvantagens dos dispositivos

Como já referi anteriormente os dispositivos podem ser uma grande ajuda é verdade, mas também podem ser verdadeiros “inimigos” no treino. Muitos corredores focam-se demasiado no que os dispositivos mostram, e esquecem-se completamente de “ouvir” o organismo enquanto correm, fazendo com que o treino deixe de ser eficiente! Por vezes temos que saber ouvir o nosso organismo, os corredores mais experientes tiram grande vantagem dos treinos quando “ouvem” o que o corpo lhes diz e não ligam à tecnologia!

Treinam de uma forma mais eficiente sabendo quando devem aumentar ou abrandar o ritmo, quando devem aumentar ou reduzir a distância mediante o que o corpo lhe “diz”. Enfim conhecendo o nosso organismo o nosso treino torna-se mais eficiente, podendo mesmo reduzir o risco de contrair lesões. Os corredores menos experientes tornam-se “reféns” da tecnologia e não forçam um pouco mais no treino quando o organismo assim o permite, só porque o gadget “diz” que já chega. Ou não abrandam o ritmo mesmo que o corpo diga “já chega” só porque o gadget diz que o treino ainda não acabou. Enfim tornam-se demasiado dependentes da tecnologia, e não aprendem a ouvir o organismo!

Os corredores de elite usam bastante este tipo de dispositivos e tiram grande partido dos dados, apenas porque têm uma equipa por trás para os ajudar a interpretar os mesmos. Têm treinadores, e todo um staff por trás para interpretar os dados e direcionar o treino mediante a informação!

Gadjet para corredores

Para concluir, os dispositivos são importantes sim quando se sabe interpretar os dados e o que fazer com eles, quando não se sabe o que fazer com a informação os dispositivos deixam de fazer sentido em termos de treino!

Eu pessoalmente gosto apenas de correr com um relógio simples com cronómetro, como referi anteriormente no artigo gosto de ouvir o meu organismo e saber quando posso ir mais além ou não em termos de treino. E você utiliza algum gadget e tira partido da informação? Deixe a sua opinião nos comentários deste artigo!

loading...

Deixar uma resposta